• 14 JAN 15

    O que há de errado com meus cabelos que não param de cair? Parte 1

    Estamos sempre buscando respostas aos problemas que nos afligem. Isso vale para tudo na vida, assim como vale na pesquisa pelo diagnóstico e melhora de quadros de quedas capilares. Normalmente recebo pacientes que mesmo depois de anos de tratamentos, inúmeras trocas de remédios e suplementos, uma lista imensa de xampus e loções de todos os tipos, não sabem o que causa ou o porque não encontram solução para suas quedas capilares.
    A questão é que tenho observado, por conta dos inúmeros pacientes que se queixam de uma cronificação de seus quadros, que há uma tendência à prática do reducionismo no diagnóstico e no tratamento das quedas capilares. A mídia leiga e o sistema de saúde nos induz a crer que podemos simplificar os problemas que afetam o organismo, nos fazendo buscar e apontar um culpado para aquilo que nos causa doenças (valendo para todas as áreas da medicina), numa tentativa de simplificar algo que é complexo demais, a natureza humana. E quando falo em natureza humana falo de tudo, nosso corpo, nossa maneira de relacionar com o mundo e a forma como nos relacionamos com nós mesmos (psique).
    Por conta disso, passamos a crer que tudo tem a ver com o palpável, com aquilo que nos parece tangível, ou mesmo conveniente. No caso dos problemas de cabelo, apontar o dedo para a anemia, a alimentação, a genética, a tireóide, os hormônios por causar queda capilar é uma realidade que não discuto. Mas que também deve levar os pacientes a refletir, em especial se a correção do problema que causa a queda de cabelos não é suficiente para melhorar o quadro, o que pode estar acontecendo? O que há de errado que faz com que, mesmo sob tratamento, os cabelos não parem de cair?

    Sei que muitos já se perguntaram isso e acabam, de uma forma ou de outra concluindo que o “insucesso” do tratamento está na ineficácia de uma ou outra medicação ou na “falta de competência” deste ou daquele profissional. Mas seriam essas as conclusões mais acertadas? O leitor que sofre com a queda capilar poderá, nesse momento, tentar afirmar para si mesmo que sim, e até poderia estar correto. Mas para estar correto deve ter em mente dois pontos importantes: 1- não existe medicação que seja 100% eficaz ou que possa ser benéfica para todos os seus usuários, 2- o relacionamento entre médico e paciente é construído bilateralmente com sinceridade, comprometimento, vínculo e interesse em entender o processo que aflige o paciente. Levando em consideração esses pontos, espero que o leitor desse texto possa, agora, entender que muitas vezes o “insucesso” no tratamento não está no medicamento, mas na forma como o medicamento interage com o organismo do próprio paciente. É por isso que muitas medicações não são tão eficazes para uns quanto são para outros. Por isso, afirmo que pode ser que a culpa não seja do medicamento, mas sim da forma como seu corpo responde ao medicamento. Ficou claro esse ponto? Nesses casos, cabe ao médico verificar se há outra opção de tratamento que seja melhor para o paciente ou se ele pode somar uma outra medicação que torne a eficácia do tratamento mais significativa. Assim como, o médico precisa contar com a sinceridade e com o comprometimento do paciente no que diz respeito ao tratamento. Às vezes, no transcorrer de uma única consulta médica, fica muito difícil para o médico saber “tudo” sobre o paciente. E, naturalmente, uma primeira prescrição é pautada em informações coletadas na história clínica e exame físico deste primeiro encontro entre o médico e o paciente. O médico irá trabalhar com o que está ali, à sua frente, ou com o que recebeu de informações na história clínica. Se o paciente esquece de contar ou esconde algum detalhe importante certamente irá atrapalhar o curso de seu tratamento, uma vez que estará deixando de oferecer ao médico dados que podem ser relevantes. Caberá também a este médico, solicitar, quando necessário, exames complementares que colaborem com o melhor entendimento do quadro, uma vez que exames complementares podem informar sobre pontos importantes que não estão nem na história clínica nem no exame físico.
    Você, leitor, percebe como algo que parece simples pode ficar complexo?
    Mas há muito mais a ser dito. Vou parar por aqui mas volto com a segunda parte desse texto. Quero explicar direitinho a você porque seus cabelos não param de cair.
    Este texto continua nos links:
    O QUE HÁ DE ERRADO COM MEUS CABELOS QUE NÃO PARAM DE CAIR? – PARTE 2
    O QUE HÁ DE ERRADO COM MEUS CABELOS QUE NÃO PARAM DE CAIR? – PARTE 3

    Postado por Dr Ademir Carvalho Leite Júnior – CRM SP: 92.693

Departamentos

  • Consultas

    Agende sua consulta pelo nosso formulário ou pelos telefones e endereços que estão em nosso site.

  • Estética facial corporal

    Cuidados dermatológicos, estética facial e corporal e estética integrativa.

  • Tricologia em Médicina

    Tratamentos para Calvície feminina e masculina

Artigos

  • Tratamentos e procedimento executados por nossa equipe médica e interdisciplinar.

  • Tratamento Capilar. O que esperar?

  • Cuidados com a queda de cabelos baseada na reposição de vitaminas, minerais e compostos.

  • Equipe integrada para melhor atendê-lo nos tratamentos dermatológicos.

  • Integração é o que rege o atual cenário do mercado de saúde estética.

  • Queda de cabelo desesperadora . O que fazer?

  • A Alopecia Areata (AA) é uma manifestação que chama atenção.

  • Tratamentos mais atuais para a alopecia areata em crianças.

  • Muitos não aceitam que o estresse possa, ser motivo de queda de cabelo.

  • Queda de cabelo por problemas alimentares. Uma Realidade